Quinta 18 Outubro 2018
LOADING
PREV
NEXT
http://www.nicoassumpcao.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/nico.diversos.imagem_baixogk-is-163.jpg
http://www.nicoassumpcao.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/nico.diversos.baixo_corpogk-is-163.jpg
http://www.nicoassumpcao.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/nico.diversos.baixo_cabecotegk-is-163.jpg

Zé Eduardo

"Ele foi um dos únicos ou o único músico que chegou no meu trabalho, encomendou um instrumento, se sentiu a vontade, nem perguntou prá mim que madeira eu iria usar, não perguntou o desenho, a colocação dos captadores, não perguntou nada."

Pedro Wood

Além da qualidade do instrumento Nico tinha uma história com a marca e era um entusiasta de sua filosofia, a de só usar madeiras brasileiras em sua confecção. As características do baixo se adequavam perfeitamente ao seu estilo: um timbre limpo, definido e brilhante, que o possibilitava chegar facilmente no timbre que quisesse com pequenos ajustes em seu pré externo Sansamp.

Rossana Lorentz

"Nico como músico era um ser perfeito. Nunca se contentava com 99%, tinha que ser 100%. O Nico e o contrabaixo eram como se fossem uma coisa só, como se fizessem parte um do outro; o dedo que toca a corda e a corda que penetra o dedo."

equipamentos

Baixo Elétrico

baixo woodOs baixos que Nico usou depois que voltou ao Brasil foram: Fender Precision 66 vermelho de quatro cordas, que mais tarde o Zé Eduardo arrancou os trastes e virou um fretless e também um baixo Roland midi GR 77, Alembic Fretless quatro cordas e um Ken Smith cinco cordas que foram usados no seu primeiro disco de 1981.

Nico usava cordas de níquel, D'addario nas seguintes medidas: C-28, G-40, D-60, A-80, E-100, B-125.

Baixo Acústico

Seu baixo acústico era alemão, não muito antigo, mas com uma sonoridade muito boa e uma excelente definição.

Com relação as cordas, usava a Spirocore Solo e a captação era Underwood.

O pickup é auxiliado por um pequeno microfone, ambos ligados num pre-amp.

Amplificadores

Em matéria de amplificação, usava um amp de 400 watts e duas caixas cada uma com quatro falantes de 10 polegadas e um tweeter. (em várias ocasiões não usava amplificação, ligava direto na mesa e uso os monitores de palco). A marca predileta de amplificadores era o SWR.

No estúdio, usava normalmente uma direct-box (de preferência uma tube direct-box e ligado direto na maquina de gravação sem usar a mesa). Rarissimas vezes usava um amplificador no estúdio (só se fosse exigido).

Com relação a outros instrumentos, tocava violão (seu primeiro instrumento) e um pouco de piano (básicamente para compor).