Segunda 10 Dezembro 2018

depoimentos

Sérgio Barrozo

Não conheci o Nico muito bem pessoalmente, mas, sim, seu trabalho como contrabaixista. Pensando no Nico me vem a lembrança de um músico excepcionalmente talentoso e criativo, realmente um marco no contrabaixo brasileiro, e que tinha uma técnica muito apurada tanto no baixo elétrico quanto no acústico. Era realmente fora de série. Inclusive eu ví uns vídeos fantásticos de alguns workshops que ele dava.

É claro que ouvindo e assistindo um contrabaixista como o Nico, você começa a se influenciar pelas suas frases e pelo seu swing, e acho que não só eu, mas todos os músicos que conviveram com ele. Assistí a vários vídeos tanto ao vivo, quanto na internet, e sempre o ví tocando maravilhosamente bem.

A melhor contribuição que ele deixou foi justamente a sua maneira swingada e muito criativa de tocar nossos rítmos, além disso, apresentando solos excelentes, influenciando e fazendo escola para muitos contrabaixistas mais novos.

Curriculum

Neto do pianista e compositor Joaquim Antonio Barrozo Netto, Sérgio Barroso começou tocando contrabaixo profissionalmente com o conjunto de Roberto Menescal em 1962, com o qual atuou em vários ‘pocket shows’ acompanhando cantores da época, como Nara Leão e Maysa. Com Menescal participou de várias gravações da etiqueta Elenco de Aloisio de Oliveira.

Sergio BarrosoEm 1965 se juntou a Edson Machado e Dom Salvador formando o Rio 65 Trio com dois discos gravados. Com Salvador gravou também de um terceiro, Salvador Trio. O Rio 65 Trio participou de vários shows na época, como o de Marcos Valle e Leny de Andrade; também gravou com Elis Regina o disco Samba Eu Canto Assim. Participou de outros trios, entre eles, o 3D trio com Antonio Adolfo e Nelson Serra.

Em 1966 esteve na Europa em tourné com Edú Lobo, Rosinha de Valença, JT Meirelles, Chico Batera, Dom Salvador, Marly Tavares, Jorge Arena, Rubens Basini. Na década de 70 trabalhou com o grupo de Elis Regina e Wilson Simonal, participando de tournées pelo Brasil e México. Participou do grupo de Elizete Cardoso, com a qual gravou discos e viajou ao Japão.

Em estúdio participou em discos de vários artistas como Egberto Gismonti, Edu Lobo, Tom Jobim, Paulo Moura, Elis Regina, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Toninho Horta, Victor Assis Brasil, Martinho da Vila, Eumir Deodato, Durval Ferreira, Paul Mauriat, Emilio Santiago, Francis Hime, Ithamara Koorax, Max de Castro, Luis Eça, Nana Caymmi, Dori Caymmi, Wilson Simonal, Michel Legrand e outros. Participou também da gravação do primeiro disco de Sarah Vaugham produzido no Brasil. Trabalhou em shows com Vinicius de Moraes, Maysa, Dori Caymi, Elis Regina, Wilson Simonal, Elizete Cardoso.

Já tocou e atualmente toca com vários músicos conhecidos como Osmar Milito, Alberto Chimelli, Mauro Senise, Nivaldo Ornelas, Pascoal Meirelles, Idriss Boudrioua, Ciff Kormann, Marcos Resende, Kiko Continentino, Helio Delmiro, Raulzinho, Paulinho Trumpete, Paulo Moura, Chico Batera, Haroldo Mauro, Victor Biglione, Marcio Montarroyos, Paulinho Braga, Hamleto Stamato, Lula Galvão, Dario Galante, Leonardo Amuedo, Harvey Wainapel. Tocou em concertos MPB/Jazz com Wagner Tiso e Orquestra Petrobras Sinfônica.

Tocou várias vezes com Michel Legrand, junto com Kiko Freitas e Idriss Boudrioua, com a cantora canadense Carol Welsman, Oscar Castro Neves e Téo Lima, e também com a cantora holandesa Laura Fygi.