Quinta 18 Outubro 2018

depoimentos

Zeca Assumpção

Conheci meu primo Nico já adulto, ele devia ter uns 22 anos. Eu estava tocando na orquestra do Nelson Ayres, em um teatro em São Paulo. Acabamos de tocar e apareceu na beira do palco um jovem falando:  "Zeca, eu sou seu primo, e toco baixo também." Fiquei surpreso com o fato de ter um primo que eu não conhecia e que também tocava o mesmo instrumento que eu. Conversamos um pouco na beirada do palco e ele me convidou para assisti-lo tocando em um bar chamado “Penicilina” dali a 2 dias.

Fui, e assim que ele começou a tocar fiquei impressionadíssimo com o talento e musicalidade daquele jovem. O meu “priminho” (10 anos mais novo) era  já naquela época uns dos grandes baixistas talvez do mundo. Sai daquele bar com a sensação de que eu teria que estudar , estudar, estudar e estudar, e feliz e orgulhoso por sermos da mesma família.

Alguns anos depois o Nico se mudou pro Rio onde eu morava, ficamos muito amigos e dividimos um apartamento (Nico , Bob White e eu) durante aproximadamente dois anos em Botafogo. Ali conheci mais o Nico e seus múltiplos talentos. Além do músico incrível, ele tinha uma inteligência rápida e era capaz de arrumar qualquer coisa que fosse, desde motor de carro (tinha uma “Brasília”) até abrir computador inteiramente, achar defeito e arrumar. Tudo ele queria ver como era por  dentro.

É uma grande perda a morte  mais que prematura do Nico. Ele poderia nos dar ainda muito mais de sua especial arte, e de seu mais que especial talento.

“Saudades  primo”.

Curriculum

Estudou música, arranjo e composição no Berklee College of Music, em Boston.  Foram seus professores: John Neves, William Curtis, Herb Pomeroy, Ron Mclure, Gary Burton, entre outros.

No Brasil gravou para rádio, TV, cinema, teatro.

Zeca Assumpção

Tocou e/ou gravou com Victor Assis Brasil, Nelson Ayres, Claudio Roditi, Joyce, Wagner Tiso, Elis Regina, João Bosco, Lucio Alves, Elizete Cardoso, Luiz Eça , Chico Buarque, Edu Lobo, Michel Legrand, Caetano Veloso,  Gal Costa, Ná Ozzetti, Simone, Ivan Lins, Adriana Calcanhoto, Lisa Ono, Toots Stileman, Luis Bacalov, Benny Carter, Dorival Caymmi, Ryuichi Sakamoto, Jaques Morelembaum, Marlui Miranda, José Miguel Wisnick, Heloisa Fernandes, Ingrid Jensen entre outros.

Foi fundador do “Grupo Um” com Lelo Nazário e Zé Eduardo Nazário.

Trabalhou com Hermeto Pascoal durante 4 anos.  Participou do quinteto de Radamés Gnatalli.  Composições nos discos de Nelson Ayres, Milton Banana, Grupo Um, Alquimia , Rodolfo Stroeter e Catavento.  Arranjos para: Virginia Rodrigues, Carlinhos Vergueiro, Sueli Costa,  Alquimia,  Piazzolando entre outros..

Fundador do grupo Alquimia junto com André  Dequech, Mauro Senise e Robertinho Silva.

Composições para TV, curta-metragem, desenho animado, e tambem para dança contemporânea.

* 1981 – eleito melhor contra-baixista brasileiro pela revista “Playboy”

* 1982 – eleito melhor contra-baixista de jazz do país, pela “Sociedade Brasileira de Jazz”  Criou as trilhas para as coreografias “Ma” , “Folia II ”  e “Aquilo de que somos feitos” de Lia Rodrigues.

* 1996 - indicação  para o Prêmio Mambembe (Integração de linguagens música/dança em “Folia II” )

* 2000 - vencedor do  prêmio  RioDança (Prefeitura do Rio de Janeiro) na categoria trilha sonóra na criação de Lia Rodrigues  “Aquilo de que somos feitos”  Trilha sonora dos longa-metragem  “Barrela”  de Marco Antonio Cury, “Matou a familia e foi ao cinema” de Neville de Almeida e para o documentário “Amazon Encounter” sobre o encontro internacional dos Índios no Xingú.

* Prêmio de melhor trilha sonora no 23º Festival de Cinema de Brasília, com o filme “Barrela.”  Participou do trabalho de  Egberto Gismonti durante aproximadamente 20 anos.

Em duo, com o grupo Academia de Danças, e outras formações, atuou em vários discos e muitas turnês pela Europa, Estados Unidos, América do Sul, Austrália, Nova Zelândia e Japão.  Lançou em outubro de 1998 o CD “Caixa de Folia” pela gravadora Pau Brasil, que é a trilha sonora do espetáculo “Folia  II “   de Lia Rodrigues.  Junto a Nando Carneiro, lançou no final de 1998 simultâneamente na Europa, Austrália e Estados Unidos o  CD  “Catavento” pela gravadora Sunset Music.

Criou  as trilhas sonoras da exposição “Caixa de Folia”, comemorativa dos sessenta anos da Missão Folclórica, realizada no Museu da República no Rio de Janeiro. Da exposição “Coração dos outros - Saravá, Mário de Andrade ! “ realizada no SESC Belenzinho em São Paulo,  e da exposição “ Expedição animada à terra pappagalli “ realizada no 17º festival  Internacional de Teatro de Marionetas de Tolosa (Espanha)  Em 2002 participou do projeto “Jobim Sinfônico” (gravação de CD e DVD) na sala São Paulo Junto à OSESP, com direção de Paulo Jobim e Mario Adnet, e regência de Roberto Minzuk. Gravou com Mario Adnet o dvd “Ouro Negro” em homenagem à Moacir Santos.

Em 2003 compos a trilha sonora do documentário “Centro do Rio” com direção de Haroldo Marinho Barbosa.  Produziu o CD “Ponte Aérea” de Eveline Hecker interpretando José Miguel Wisnik, CD este bastante elogiado pela crítica especializada.

Em 2006, criou a música para o longa “O Demoninho de Olhos Pretos” de Haroldo Marinho Barbosa, e participou do concerto Jobim Sinfônico com a OSB no Rio, e tem tocado últimamente com Heloisa Fernandes, Badi Assad, Mani Padme Trio, Benjamim Taubkim, Weber Lopes, Tulio Mourão, Nivaldo Ornellas, Toninho Ferraguti, entre outros..  Atualmente tem um trabalho em duo com o violonista Luiz Brasil.  Em 2009 gravou os Cds Trio+1 com Benjamin Taubkin, Sergio Reze e Joatan Nascimento, e Candeias com Heloisa Fernandes e Ari Colares.